Hoje foi um dia corrido, alguns imprevistos pra resolver. Algumas coisas se encaminharam, outras não. Aí bateu aquela sensação de desânimo.

Estava sentada dentro do carro olhando para o nada e me dei conta de que estava pertinho da casa de uma amiga. Pensei que seria uma boa oportunidade para tomar um café. Liguei, deu certo, nos encontramos e rimos juntas por umas boas horas. Fizemos compras juntas. Ao voltar para o carro, o pneu estava furado. 🙄

Já ia começando a troca – porque agora eu sou dessas – quando parou um casal do carro ao lado, oferecendo ajuda pra trocar. Aceitei, pq o local e o horário já não eram muito bons para duas mulheres sozinhas trocando pneu (embora fôssemos fazer e registrar tudo com bom humor). Enquanto o homem trocava o pneu, a esposa disse “ficamos em dúvida se deveríamos oferecer ajuda, mas aí pensamos que quando a gente faz o bem, volta pra gente”. Concordei, e no meio da conversa sobre fazer o bem contei sobre o @sobreskinpicking. E: o homem e a mãe dele têm essa condição e sequer sabiam que isso tinha um nome. Dei o endereço do site e das redes sociais, expliquei o que era o transtorno e como tratar. Passei meu WhatsApp.

O marido faz serviços de pedreiro. Pedi o contato e estou só esperando eles me passarem pra recomendar. Pq ainda tem pessoas de bem no mundo e são essas que devemos valorizar. E pq sim, o mundo não mudará a minha essência. No máximo, dou umas murchadas, porque sou um ser humano também. Mas situações como essa renovam minhas esperanças e me indicam que o caminho que escolhi é o certo pra mim. Não é o melhor, nem mais certo que nenhum outro caminho. Ele só conecta o que tenho dentro do coração com um trabalho que está a meu alcance fazer.
Escolhi lutar por mim e por cada portador desse transtorno,
sem grandes pretensões. Minha missão nessa luta é ajudar a ampliar o conhecimento de portadores e sociedade sobre o tema.

Se ainda não sabe o que é, dá um pulo lá na página para saber mais sobre o Transtorno de Escoriação / Skin Picking. Ou se quiser eu explico, com satisfação.
Tenho certeza que você pode conhecer alguém que sofre com esse transtorno e nem imagina.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *