Não é sobre emagrecer. É sobre bem-estar.

Pra quem ainda não sabe, meu nome é Daniele, tenho 42 anos. Sempre fui cheinha, desde bebê. Picking desde os 5 anos de idade. Parei com o picking há quase 2 anos. Neguei atividade física durante toda a minha vida e comecei a fazer atividade física há 8 meses.

O ano de 2017, meus 40 anos, foi uma grande virada pra mim. Consegui – finalmente! – controlar o picking. Passei por situações que desafiaram meu controle (alergias, queimadura por laser…) mas consegui resistir. No final de 2018, já me sentindo uma medalhista por completar 1 ano sem me escoriar, criei essa página para ajudar outras pessoas com informação e apoio. Logo decidi que era hora de mais uma virada: com sobrepeso, dores nos joelhos e na coluna, eu PRECISAVA perder peso. Não era estética. Era saúde, assim como o picking.

Eu que nunca tinha pisado em uma academia, em pouco tempo me vi querendo ir todos os dias – e amando. Não preciso desfiar aqui todos os benefícios da atividade física, mas quero falar sobre onde entra o picking nessa história. A atividade física mexeu com meu emocional, me encheu de bem-estar, aumentou minha autoestima e me deu mais confiança para a batalha diária para manter o controle do picking. Emagrecer tem sido consequência. Estou focada em alimentos que evitem o surgimento das lesões que servem de gatilho para o meu picking. Cuido da pele por dentro e por fora. Me sinto melhor, mais feliz. E, acredite, quando a cabeça da gente vai bem, o espaço para o picking é pequeno. Não tenho mais vergonha da minha pele (tô só terminando com umas manchinhas), não me preocupo com curativos ou em me esconder de mim e do mundo.

Hoje o Fotos me lembrou de uma foto de 1 ano atrás. O rosto mais fino mostra a mudança, o resto do corpo nem se comenta. Ainda tenho muito a conquistar, mas VER essa mudança me encheu de motivação.

E sabe o que ganhei hoje? Mais confiança: EU TENHO CONTROLE SOBRE O MEU CORPO E SOBRE O PICKING, E NÃO ABRO MÃO. Se eu escorregar, dou um tapa nessa compulsão e volto pro trilho. Essa sou eu hoje. Quem diria? Sou dona de mim e da minha pele agora!

Categorias: Para refletir

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *