Mais uma história de vitória sobre o skin picking para animar você a buscar tratamento. Quem compartilhou com a gente como foi a sua recuperação foi a Larissa. Vem ver! 👐
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
***
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A Larissa @lalamqs sempre teve problemas com a área do queixo, saíam muitas feridas, até diminuíam por um tempo, mas depois acabava voltando tudo de novo.

Com o tempo a Larissa conseguiu se controlar e todas aquelas lesões do queixo se transformaram em uma só, mas mesmo assim ela acabou ficando vários meses com essa única ferida. Com o tempo também acabou cicatrizando e hoje ficou só a manchinha, que uma hora vai sair.

Do rosto ela passou para os braços, ficou meses coberta de feridas e só saía com os braços enfaixados, de tanta vergonha.
Mas olha só! Agora as feridinhas dos braços também estão secando. 🥰

A testa também era um alvo, e ela também conseguiu controlar e se recuperar!A Larissa não se envergonha das manchas que ficaram, porque entende que elas estão ali pra lembrá-la do que ela venceu. E de mais a mais, somem com o tempo. Ela está super feliz e compartilha as fotos sempre que pode, porque ela quer poder proporcionar um pouco de esperança para quem ainda não começou ou está no meio do caminho para alcançar o controle do skin picking.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Parabéns, Lari! E força para todos nós! 💪🏆
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
****
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sabe qual é a mensagem que eu vejo por trás dessa história? Que a Larissa nunca desistiu de tentar, que nunca desistiu dela. Cada um tem uma maneira de lutar, mas ela, à sua maneira, decidiu que era hora de dar um basta. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ela não está livre disso para toda a vida (como nenhum de nós está) mas assumir as rédeas dessa compulsão certamente permitiu que ela agora atue preventivamente, de um modo muito mais fácil e menos sofrido pra ela. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
E você, o que acha? Se chegou a sua hora de dar um basta procure ajuda médica. Mas dê o primeiro passo. O caminho será cheio de desníveis, mas é possível percorrê-lo e controlar essa compulsão! Você só precisa de ajuda. Se abra com alguém próximo, mas procure um psiquiatra!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *