Comprar saias e vestidos é algo muito novo pra mim.

Saí para fazer compras com uma amiga ontem e, como quase sempre, nada do que EU ESCOLHI pra provar ficou bom. As duas peças que acabei comprando a MINHA AMIGA ESCOLHEU para mim. Peças que eu jamais teria pegado, nem pra provar. Fiquei surpresa (e confesso que, lá no fundinho, com um certo sentimento de frustração por eu não ter a capacidade de enxergar sozinha).

Isso me fez pensar na nossa relação com o skin picking, no quanto a gente resiste a tentar métodos novos, mudanças de comportamento. A gente nem está disposto a tentar, já sai com o nosso cérebrozinho teimoso dizendo que aquilo não vai funcionar… E por quê? Porque mudanças tiram a gente da nossa zona de conforto. E a gente tem medo de sair dela. E é natural.

É mais seguro eu comprar um jeans que uma saia. É mais seguro eu esconder uma ferida embaixo de uma roupa do que fazer algo pra mudar a minha situação. É mais fácil afirmar que tal curativo não funciona pra mim, mesmo quando tem um monte de gente afirmando que ajuda. É mais fácil dizer f…-se, mas é só para os outros, porque o sofrimento continua ali, dentro da gente, a cada cutucada, a cada sangue escorrendo pela pele. No máximo a gente disfarça.

Pense você aí: será que não está apegado demais à sua zona de conforto? Não tem algo que pode ser feito diferente, nem que seja só pra tentar? Será que não dá pra aceitar que você tem uma dificuldade, pedir a ajuda de alguém e se arriscar em um “vestido diferente”, mesmo que nunca na vida tenha provado um antes?

Você só poderá dizer se dá ou não dá certo se tentar. Não deu, mude de estratégia, até achar as suas.

Eu sabia que eu não sabia comprar saias e vestidos. Por isso aceitei as sugestões, mesmo estranhando, mesmo duvidando. Tentei, provei. E deu certo! Eu amei! 🥰

Fazer tudo sempre do mesmo jeito não vai trazer nada novo. Esteja aberto! A sua chance de controlar essa compulsão pode estar ali, naquele algo novo que alguém pode estar agorinha tentando mostrar a você. Experimente! Vai que dá certo?

Categorias: Para refletir

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *