Consulta com o ginecologista e skin picking: dia de se despir por fora e por dentro. Como é pra você?

Amanhã tenho consulta com a ginecologista e me peguei preocupada com a aparência da minha pele. Mesmo sem feridas significativas há quase 2 anos, ainda sofro por essa situação de ter que me despir inteira, de me expôr por fora, mas principalmente por dentro, de expôr a minha fraqueza diante dessa compulsão. No momento, só tenho manchinhas, quase sumindo, mas ainda assim dá uma angústia imensa, que só quem sofre de skin picking consegue entender.

Na pesquisa que realizei para o meu TCC da pós, para entender o perfil dos portadores (compartilharei os resultados após a defesa), somente uma pessoa relatou ter falado com seu ginecologista sobre seu problema com essa compulsão.

Imaginem a oportunidade que esses profissionais têm para nos ajudar! Sei que não é o foco do atendimento deles, ainda mais nas consultas a jato por plano de saúde (não deveriam ser assim, mas aí é outro assunto). Fiquei aqui pensando em quantas vezes adiei a consulta, pulando a frequência anual ideal para o preventivo, porque a minha pele estava um lixo. Cheguei a adiar por 3 anos.

Fiquei pensando também que NUNCA nenhum ginecologista me perguntou sobre as lesões/manchas (isso que eram nas pernas, que estavam literalmente na cara deles). Evidentemente, eu nunca consegui me livrar delas 100% delas para ir à consulta e passar despercebida, nem tampouco sem me sentir um lixo de tanta vergonha por causa da aparência da minha pele.

A vida inteira eu abri mão de praia, piscina e até relacionamentos íntimos por causa do picking, e tenho certeza que isso não é nenhuma novidade pra qualquer um que estiver lendo este post. Mas abrir mão de prevenção à saúde, ginecológica, tão importante… Eu nunca tinha pensado no quanto fui relapsa. Dei sorte de até hoje não ter passado por nada grave.

❓E vocês? Já deixaram de ir ao ginecologista por causa da aparência da pele? Se sim, por quanto tempo chegaram a adiar? ❓Algum ginecologista já tocou no assunto das lesões/manchas? Algum sugeriu tratamento psicológico?


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *