Quero mostrar a pele sem sentir vergonha, usar a roupa que eu tiver vontade, me sentir normal!

Hoje, conversando com uma amiga sobre o picking (sim, meus amigos me escutam e me apoiam! 🙌) ela fez um comentário que me deixou espantada e talvez ela vá ler isso aqui (amiga, sei que não foi com má intenção, vc me ajudou provocando essa reflexão!).

Falamos sobre manchas, verão, praia, e ela me disse “Ah, mas pra vc não tem muito problema, né? Vc não gosta de usar saias, vestidos…”. Eu respondi que sim, eu não uso, mas por motivos exatamente opostos! Meu SONHO é poder vestir a roupa que eu quiser, sem me preocupar com as manchas e com o olhar cruel das pessoas.

Sei que um pouco dessa vergonha é responsabilidade nossa, em saber lidar com isso, emocionalmente falando. Outro tanto é realmente culpa dos olhares julgadores das pessoas. Eu prefiro que alguém me pergunte o que eu tenho na pele, me dando a chance de explicar e fazer a pessoa entender o problema, do que a pessoa olhar, disfarçar (e eu notar) e não perguntar nada. É minha maneira de lidar com isso, sei que muitos de nós preferem se esconder completamente.

Fiquei pensando “que sinais eu transmito, para que alguém pense que eu NÃO GOSTO de usar roupas curtas no verão?”. É o oposto disso! Preciso de ajuda e me sentir apoiada para ter coragem de expor minha pele!

O que aprendi com isso hoje? Que mesmo eu falando pra todo mundo sobre o picking, ainda tenho [temos, todos nós] muito espaço para falar sobre o que nós realmente sentimos diante dessa compulsão, em como ela atua em cada um de nós, que nos sentimos sozinhos e precisamos de ajuda!

Sabe aquele apoio lindo de alguém ver as suas manchinhas e não dar nem bola (pode até perguntar, mas sem ênfase, sem espanto, sem sermão)? Aquele beijo carinhoso que recebemos dos nossos parceiros em cima de uma cicatriz? É só disso que precisamos. Equivale a dizerem “eu estou aqui, por você”.

MAS… Eles não sabem ler pensamentos! A gente precisa falar! Com amor e carinho, com conhecimento, com propriedade, mas precisamos falar! Senão, como vão saber que precisamos desse apoio?


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *