Atire a primeira pedra quem nunca mentiu sobre as lesões na pele.

Menti por muitos anos, até para os médicos. Eu queria pomadas milagrosas, não escutar que eu era “maluca” porque cutucava a minha pele em um nível absurdamente além de arrancar casquinhas de ferida. Errei.

Conheci meu marido aos 17 anos. Só tive coragem de contar que era eu quem fazia as lesões aos 27. Foi a primeira vez que falei para alguém, e doeu muito. Chorava sempre que tocava no assunto. Mas notei que a cada choro desesperado uma parte da angústia pela compulsão ia cedendo, e vi que foi bom. E assim fui indo. Aos poucos, contei para a família. Depois para meus amigos. Outro dia para uma vizinha. E ao longo dos anos até para colegas de trabalho.

Começar não foi fácil, mas com a prática superei o nó na garganta. De tanto falar disso encontrei mais gente na internet com o mesmo que eu, e – isso sim! – foi libertador! Hoje falo do skin picking até com alguém no ponto do ônibus – se o papo estiver bom e o ônibus ainda for demorar, claro.

Falar sobre o picking me fez colocar o sofrimento em outro compartimento, menos importante. Comecei a pensar mais racionalmente, mesmo com feridas abertas na pele. O que aprendi: a olhar para mim por dentro e não mais SÓ por fora.

Então, sobre a pergunta título do post, HOJE eu respondo assim: “Vc tem um tempo para eu explicar? É um comportamento compulsivo por escoriar a própria pele. Sabe, tipo tirar casquinha de ferida? Mais que isso. É meio insano, mas é sentir tanto prazer em tirar a casca quanto em abrir a pele e ver o sangue escorrendo, mesmo com dor. Depois a gente se sente mal, lógico, mas a vergonha e sofrimento são tão grandes que a gente acaba voltando a fazer e não consegue sair desse ciclo. Está associado ao TOC e eu tb acho bem parecido com usar drogas ou álcool. Só que a droga é a pele.”

Aí, se a pessoa der abertura, falo um pouco mais. Acredito que todo mundo conhece os problemas relacionados a álcool ou drogas, então deve ficar mais fácil de entender o que temos, e ser empático.

E você, como reage a essa pergunta?


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *