Skin picking é compulsão. Entenda.

Compulsões ou rituais compulsivos ou simplesmente rituais são comportamentos repetitivos ou atos mentais que a pessoa se sente compelida a executar para diminuir ou eliminar a ansiedade ou o desconforto associado às obsessões ou em virtude de regras que devem ser seguidas rigidamente (DSM V). São atos voluntários realizados em resposta às obsessões, com a intenção de afastar ameaças (contaminação, a casa incendiar), prevenir possíveis falhas ou simplesmente aliviar um desconforto físico. São comportamentos claramente excessivos aos quais o indivíduo não consegue na maioria das vezes resistir.

EXEMPLOS DE COMPULSÕES

Exemplos de compulsões: lavar as mãos repetidas vezes para proteger-se de germes ou contaminação; verificar repetidamente a porta, as janelas, gás, fogão para eliminar dúvidas e ter certeza; alinhar os objetos para que fiquem simétricos ou na posição exata; acumular ou armazenar objetos sem utilidade e não conseguir descarta-los; repetições diversas: tocar, olhar fixamente, bater de leve, raspar, estalar os dedos ou as articulações, sentar e levantar, entrar e sair de uma peça, que nem sempre são precedidos por uma obsessão.

COMPULSÕES MENTAIS

As compulsões também podem ser atos mentais como: contar, rezar, repetir palavras, frases em silêncio, repassar argumentos mentalmente, substituir imagens ou pensamentos “ruins” por imagens ou pensamentos “bons”. Da mesma forma que as compulsões motoras observáveis, as compulsões mentais são executadas com a finalidade de afastar uma ameaça e eliminar a ansiedade, o medo ou o desconforto
⠀⠀⠀⠀⠀
⚠️COMPULSÕES EM OUTRAS DOENÇAS MENTAIS

Compulsões podem fazer parte do quadro clínico de outros transtornos psiquiátricos, como comer compulsivo, 👉transtornos do controle de impulsos (compulsão por arrancar cabelos, roer unhas, beliscar-se), compulsões por comprar, adicção a drogas, álcool, jogo patológico. Nesses casos não são executadas em razão de medos ou para afastar uma ameaça, mas para obter prazer ou satisfação.👈
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀ ⠀⠀⠀⠀
Não tenha medo. Consulte um psiquiatra.


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *